Este site, fundado em
maio de 2003, é elaborado por
Marcelo Lefèvre,
com a colaboração de Anderson "Cebolinha" Silveira, Arnaldo Marques Loureiro, Edson "Agnes Gold" Watanabe, Eduardo Garcia (EUA), Eduardo Silva, Felipe Passantino, Jaime Ballalai, Jô "Much Better" Garcia, Milton Blay (Paris), Milton "Giorgio Vergano" Moreno Garcia Jr., Nixon "Grimaldi" Mendonça, Roberto Carlos Micka, Sergio "Clackson" Christianini, Samir Abujamra.

 

Mande sua mensagem para o
Pega Pelo Rabo escrevendo para: marcelo.lefevre@gmail.com

 

PPR NO FACEBOOK

Para participar clique aqui 

                     
Edição mensal - AGOSTO/SETEMBRO  2016                                                                                  
 

 
 


Conforme prometido


O Pega Pelo Rabo está voltando ao ar, a priori, e a partir deste mês de agosto, com 1 edição mensal. A próxima edição, excepcionalmente, deverá entrar no mais tardar na terça-feira dia 4 de outubro, tendo em vista que o Prix de l'Arc de Triomphe 2016 será disputado em Chantilly no domingo dia 2. Este ano, por variadas razões, especialmente financeiras, mas também pessoais, não estarei cobrindo o evento ao vivo.

 

Desde que foi criado em 2003, o PPR nunca teve objetivos comerciais, e continuará não tendo. Como já afirmei diversas vezes, e repito mais uma, minha atividade profissional, há mais de 40 anos é outra, na área de Recursos Humanos. Ao longo destes quase 13 anos, a importante parceria com a Revista Turf Brasil, somada a patrocínios pontuais, alguns de valor apenas simbólico, permitiram não só a manutenção e melhorias do site, como também as coberturas internacionais, especialmente em Paris e Buenos Aires.

 

Já em 2015 foi quase impossível viabilizar a cobertura do Arco, e o Pellegrini já não foi possível, isso porque diversos apoiadores, por variadas razões, cancelaram seus patrocínios, o que acabou me levando, juntamente com a triste situação que vive o moribundo JCSP, a decidir encerrar as atividades. Os leitores inclusive poderão verificar que nesta edição já não consta nenhum banner, nem nome de qualquer patrocinador.

 

Estou ainda negociando patrocínios, que se vingarem, poderão fazer com que voltemos com edições quinzenais, ou quem sabe mesmo semanais. Caso negativo, continuaremos neste esquema mensal.

 

E mais uma vez fica o recado, não deixem de acessar a página do PPR no Facebook.
 

"No Brasil subtrai-se; somar, ninguém soma."
(Monteiro Lobato)

 

Tema Musical  

A escolha do grande Paulinho da Viola para cantar o Hino Nacional na festa de abertura da Olimpíada foi perfeita, e emocionante. Já a trinca Caetano (depois que assumiu o petismo), Gil (caindo pelas tabelas), e Anita (sem comentários), eu excluiria do meu jogo, e em seu lugar teria escolhido a jovem revelação paulistana Maria Luiza Campos, que canta desde os 13 anos de idade, aos 17 gravou o primeiro álbum chamado 'Pequena', com músicas em inglês e em português, e aos 20 anos gravou o álbum Jazz in bossa... ...Bossa in jazz, produzido por Roberto Menescal. Para quem assiste novelas, que não é meu caso, Maria Luiza projetou-se como atriz ao atuar em 2014 da novela adolescente Malhação, da TV Globo.

 

Para esta edição do PPR selecionamos dois temas seus, o primeiro Você, um clássico da MPB de autoria da dupla Menescal e Bôscoli, em dueto com o próprio Menescal, que vocês poderão curtir clicando aqui;  O segundo Lullaby of Birdland, um standard da canção norte americana, música de George Shearing e letra de George David Weiss, gravada, entre outros, por feras como Ella Fitzgerald, Lionel Hampton, Sarah Vaughan, Quincy Jones, Amy Winehouse, Mel Tormé, Erroll Garner e Ray Conniff, que vocês ouvirão clicando aqui.

 

Sobre a cantora, disse Menescal: "Maria Luiza é ótima cantora, grande personalidade, além de ser uma gracinha! Nosso grande Vinicius de Moraes, se tivesse lhe conhecido, certamente falaria, 'Luiza, a tua vida, é uma linda canção de amor'."

 
 


 

Você Sabia?

Caravaggio (USA) é um 2 anos por Scat Daddy em Mekko Hokte (Holy Bull), criação, em Kentucky, de Windmill Manor Farm, propriedade de Michael B. Tabor, Mrs. John 'Susan' Magnier, Derrick Smith, treinamento de O'Brien, invicto em quatro apresentações no Reino Unido. Informa nosso colaborador Samir Abujamra que após sua última apresentação o potro teve um contratempo muscular, nada muito sério, e seu treinador não sabe se ele estará em ordem para correr novamente ainda este ano. Não disse que sim ou que não. Disse apenas que não quer se comprometer e quem vai dar a resposta é o próprio cavalo. Clique aqui e acompanhe sua recente vitória no Keeneland Phoenix Stakes (G1), disputado em 7/8 em Curragh.

 

Michelangelo Merisi (ou Amerighi), (1571–1610), conhecido como Caravaggio (nome da aldeia natal da sua família), foi um dos mais notáveis pintores italianos. Atuante em Roma, Nápoles, Malta e Sicília, seu trabalho exerceu influência importante no estilo barroco, estilo do qual foi o primeiro grande representante. Exceto em suas primeiras obras, Caravaggio pintou fundamentalmente temas religiosos, no entanto, foram várias as vezes em que as suas pinturas feriam as susceptibilidades dos seus clientes. Nos seus quadros, em vez de adotar belas figuras etéreas ou delicadas para representar acontecimentos e personagens da Bíblia, preferia escolher, entre o povo, modelos humanos tais como prostitutas, crianças de ruas e mendigos, que lhe posavam como personagens para as suas obras.

Nascido no Ducado de Milão, onde seu pai era administrador e arquiteto-decorador do marquês de Caravaggio, tinha apenas seis anos quando a peste bubônica matou praticamente todos os homens de sua família, incluindo o pai. Cresceu contencioso e agressivo, mas desde que surgiu na cena artística romana nunca lhe faltaram comissões ou patronos. Considerado um farrista inconsequente, vivia com problemas com a polícia, sem dinheiro e buscava brigas nos pulgueiros da cidade.

 

Após uma carreira de pouco mais de uma década, Caravaggio morreu em circunstâncias desconhecidas, em julho de 1610, aos 38 anos. Seu corpo permaneceu em local desconhecido por séculos. Somente em 2010, uma equipe de cientistas e universitários italianos do "Comitê Caravaggio" anunciou a identificação dos restos mortais do pintor, graças a análises de DNA e de carbono-14, no pequeno cemitério da frazione de Porto Ercole, na comuna de Monte Argentario, na Toscana. A probabilidade de certeza desta descoberta, divulgada pelos pesquisadores, é de 85%.

 

As telas abaixo são:

 

A Vidente. c.1598-1599. Óleo sobre tela. Louvre, Paris, France

 

A Conversão de São Paulo. 1600-1601. Óleo sobre tela. Capela Cerasi da igreja Santa Maria del Popolo, Roma, Itália.

 

Os Músicos. c.1595. Óleo sobre tela. Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque, EUA.
 
 






 

Moda Turfe 

Para esta edição vez  escolhemos uma seleção variada de objetos de decoração e de uso pessoal, sempre tendo cavalos como tema. Nosso folclórico repórter 'Argemiro do Bom Retiro' adorou o modêlo da gravata borboleta, que prometo trazer-lhe de presente da minha próxima viagem.
 











 


 

Essa é do ramo

Agora sim vale ainda mais a pena acompanhar as ótimas transmissões da TV Jockey carioca, que passaram a contar com a simpatia, competência e indiscutíveis conhecimentos de turfe da âncora Juliana Dias. Tempos atrás, quando eu acompanhava as corridas de Cidade Jardim, cheguei até a manter contatos frequentes com uma moça cujo nome infelizmente não me recordo mais, passando-lhe algumas dicas sobre a pronúncia correta de determinados animais. Na verdade, acho que de tanto escutar as pessoas falando meu sobrenome errado, devo ter ficado meio traumatizado com este assunto. Na reunião carioca da última 6ª feira, 26/8, no 8º páreo, Juliana deu um show de bola ao pronunciar de forma absolutamente correta o nome do cavalo Innenheim, meus parabéns!

 

Aproveitando o ensejo, e a propósito deste tema, sinceramente nunca consegui entender porque os narradores de turfe no Brasil ainda não sacaram que para quem joga nas corridas de cavalos, o número do animal é muito mais importante que o nome, até porque na hora de apostar é o número que se fala. Obviamente, como na Argentina, as narrações ficariam muito mais simples e fáceis de se acompanhar.




 

Bom começo

Frankel (2008, por Galileo) foi um dos melhores cavalos já nascidos na Inglaterra. Correu 14 vezes, aos 2, 3 e 4 anos, em distâncias entre 1400 e 2000 metros, terminando sua campanha sem sofrer derrota. Seus primeiros produtos nasceram em 2014 e estão agora com 2 anos. Dessa primeira geração, 14 correram e 10 já ganharam, inclusive 2 potrancas laureadas em prova de grupo. Seu único produto a correr no Japão até a presente data estreou com vitória. Não é possível garantir o futuro, mas que o Frankel começou bem na reprodução não há nenhuma dúvida.
 


 

Grande nome deixa o Turfe 

A família Wildenstein vai encerrar a sua participação no Turfe com uma venda total em novembro próximo em duas etapas distintas, ambas na Irlanda. São 108 animais, incluindo éguas, produtos desmamados, yearlings e cavalos em treinamento, no que será um dos acontecimentos mais aguardados dos últimos tempos. A famosa farda dos Wildenstein - azul, boné celeste - é uma das mais tradicionais, tanto na França como no restante da Europa e nos Estados Unidos. Foi quatro vezes vitoriosa no Prix de l'Arc de Triomphe, com Allez France, All Along, Sagace e Peintre Celebre. Grandes coudelarias e criadores do mundo inteiro irão disputar os valiosos lotes dessas vendas, sendo possível prever a queda de alguns recordes de preço.O hipódromo foi inaugurado em 1711 e a Gold Cup é a mais tradicional de todas as provas corridas lá.O hipódromo foi inaugurado em 1711 e a Gold Cup é a mais tradicional de todas as provas corridas lá.

 

Clique aqui  e reveja as sedas Wildenstein brilhando no Arco do Triunfo de 1997 com Peintre Celebre, pilotado por Olivier Peslier.
 

Esquenta do Arco 2016 

As três preparatórias francesas para o Prix de l'Arc de Triomphe serão disputadas na distância clássica de 2400 metros no dia 11 de setembro em Chantilly, hipódromo que este ano sediará o evento principal, marcado para 2 de outubro. Analisando preliminarmente as inscrições, sujeitas ainda a forfés e engajamentos suplementares, adiantamos:

No Prix Vermeille (G1) as irlandêsas filhas de Galileo têm absoluto destaque, na ordem Minding (cotada a 8/1 no Arco), Found e Seventh Heaven.

 

No Prix Niel (G2) temos o irlandês Harzand (Sea The Stars) como grande favorito, já cotado no Arco a 6/1, seguido do japonês Makahiki (Deep Impact) a 14/1. Ainda não se sabe se o derby-winner francês Almanzor (Wootton Bassett) irá participar. O potro (foto abaixo) ganhou o Prix Guillaume d'Ornano em 15 de Agosto, mas parece que o treinador Jean-Claude Rouget está propenso a correr o Irish Champion Stakes na Irlanda em 2000 metros.

No Prix Foy (G2) mais um Galileo é a força, Highland Reel (IRE), cotado a 16/1 no Arco, seguido de New Bay (Dubawi), cotado a 12/1.

Já na preparatória alemã de Baden-Baden, marcada para 4/9, merece amplo destaque o cavalo Protectionist (Monsun), treinado por Andreas Wohler, mas as inscrições ainda estão abertas. Este ano o turfe alemão não revelou nenhum grande craque até agora.
 


 

Falando de Turfe 

Minha amiga e parceira Karol Loureiro terá sempre lugar garantido em qualquer edição do Pega Pelo Rabo. Nesta oportunidade, e a seu pedido, nossos leitores poderão reviver clicando aqui os mais importantes destaques da recente Copa dos Criadores, que teve lugar em Cidade Jardim no dia 6 de agosto de 2016.
 

Que País é Esse?

Nesta edição apresentamos mais uma seleção de charges sobre o atual momento político brasileiro, espero que nossos leitores apreciem.
 















 

Direto de Paris

Área 

Nos últimos dias as praias ensolaradas da Cote d’Azur, a Riviera francesa, ganharam colorido polêmico. Mas ao contrário dos anos 1960, quando as starlettes banhavam-se seminuas no Mediterrâneo, tentando atrair os olhares dos diretores de cinema presentes ao festival de Cannes, agora o escândalo chega pelo excesso de roupa: o burkini.

As imagens de mulheres muçulmanas vestidas de alto a baixo, só com o rosto, mãos e pés descobertos, cercadas de policiais, viajaram o mundo e viraram polêmica. Neste verão europeu, vários prefeitos de balneários franceses proibiram a vestimenta, criando um problema que na prática não existia, tão raros eram os burkinis nas praias.

A comunidade muçulmana se sentiu visada, nem poderia ser diferente. Estética à parte, não há qualquer razão para se proibir na areia o que se permite no asfalto. O burkini não é uma burca propriamente dita, pois não esconde o rosto da mulher. E mesmo que fosse, não há lei que proíba a burca nas ruas. E muito menos nas lojas chiques e caríssimas da Avenue Montaigne e outras LVMH, frequentadas pelas mulheres dos sheiks sauditas. De burca ou não, elas são sempre bem vindas, tratadas como rainhas.

Além disso, ninguém pensa em obrigar as mulheres judias ortodoxas a retirar as perucas na praia.

Simples hipocrisia? Não. Se trata de uma questão muito profunda, que é manipulada politicamente e que a França não sabe como tratar.

Durante anos, as autoridades deixaram se instalar livremente em território francês, sem nenhum controle, imãs radicais (vindos sobretudo do Golfo), que usaram e abusaram de um discurso incompatível com a laicidade, a República, os direitos humanos. Por outro lado, a escola pública e o serviço militar obrigatório, que funcionaram como fatores de integração das diferentes populações, pararam se fazê-lo. Conclusão: a França vê-se obrigada a correr contra o tempo. Em razão dos atentados, passou a ter uma atitude mais firme em relação às mesquitas, fechando várias delas, que pregavam o desprezo pela mulher e a sharia - a lei islâmica – em detrimento da Constituição.

Paralelamente, Paris tenta encontrar novos vetores de integração dessas populações de origem sobretudo magrebina, de terceira, quarta geração, que chegaram ao ponto de se negar a falar francês, apesar de serem franceses.

Estamos a poucos meses das eleições presidenciais e isso piora a situação, já que, como no Brasil, os políticos franceses tendem a se preocupar em primeiro lugar com o seu futuro imediato. O melhor exemplo foi dado pelo ex-presidente Nicolas Sarkozy, que ao anunciar a sua candidatura declarou: «O projeto político islâmico é uma ameaça à França».

Despudorado, Sarkozy mergulha de cabeça na provocação, acusando indiferentemente todos os muçulmanos de radicalismo. Os muçulmanos não têm, é claro, um «projeto político». São, aliás, as principais vítimas dos grupos extremistas islamitas.

A França tem um problema seríssimo a resolver e a solução não passa pela islamofobia, que está a um escorregão do antissemitismo.

O tempo é curto, antes que o pesadelo se torne realidade e Marine Le Pen, a líder do partido neofascista Front National, se eleja presidente de um país que já teve como lema Liberté, Égalité, Fraternité.

 


Correspondente em Paris há 35 anos, Milton Blay, autor do livro "Direto de Paris, Coq au Vin com Feijoada" pode ser ouvido em boletins diários nas rádios BandNews FM e Bandeirantes AM.  






 

Esportes

Sobre a recente Olimpíada, achei muito bacana a festa de abertura, não assisti a de encerramento, e em relação ao desempenho do Brasil acredito que esteve dentro das expectativas no que se refere ao número de medalhas, porém com algumas agradáveis surpresas, casos dos atletas do tiro, box, canoagem, judô, vela e principalmente do salto com vara, e outras grandes decepções, principalmente no volei e futebol femininos. Em relação ao futebol masculino, nossa seleção não fez mais do que a obrigação, mesmo a duras penas, de ganhar a medalha de ouro. Quero ver agora o time principal contra Equador e Colômbia.

 

Quanto ao Brasileirão, meu palpite é que ao final teremos no G4 1 paulista, 1 mineiro, 1 carioca e 1 gaúcho. Se de repente um clube paranaense sagrar-se campeão da Copa do Brasil, teremos 5 Estados representados na próxima Libertadores.
 




 

Santos

Após a derrota para o Figueirense em casa no final de semana, recebi do meu amigo Dr. Paulo Trindade, santista e eminente dermatologista, a seguinte mensagem no whatsapp: "Sem comentários...nem na Vila Belmiro, nem no Morumbi, estes times são sem vergonha na cara, não merecem torcida...".

 

Em tese concordo plenamente, mas o problema é que quando se trata de futebol, a razão perde de goleada para a paixão. Tenho certeza que meu amigo estará ligadíssimo torcendo pelo seu 'Peixe' contra o Internacional na próxima rodada, bem como contra o Vasco no jogo da volta pela Copa do Brasil, como ele sabe que eu estarei rezando para o Tricolor não tomar uma goleada do Palmeiras no próxima rodada, nem amargar outro vexame contra o Juventude no jogo da volta.
 

Palmeiras

Mais pela fraqueza da turma do que pela própria força, o Palmeiras está com jeito de quem vai brigar até o disco pelo título do Brasileiro, mas está longe de ser esta barbada que alguns fanáticos acreditam, como é o caso do amigo Milton "Vergano" Moreno Garcia. Observando a tabela do campeonato até aqui, o time perdeu para Botafogo (3x1), Cruzeiro (2x1), São Paulo (1x0) e Ponte Preta (2x1), além de empatar com Coritiba, Chapecoense e Ponte mais uma vez. Falando sério, dá pra cravar?

 

Corinthians

Dias atrás, conversando com o amigo Claudio Dargevitch, disse-lhe que estava torcendo para o seu Corinthians conseguir chegar no G4 no Brasileiro (de preferência em quarto lugar, é claro), mas acho que ele não acreditou, como também não acreditei que ele esteja torcendo para o meu time ser rebaixado. Meu argumento é que a Libertadores da América sem o Timão perde completamente a graça, afinal, o que seria do Tolima, do Guarani do Paraguai e até do saudoso Nacional do Uruguai, se não fosse o Corinthians?

 

Sobre o desempenho irregular do time no Brasileirão, nove em cada dez entrevistas de dirigentes, jogadores e de jornalistas engajados, justificam a instabilidade por conta do desmonte por que passou aquele time campeão treinado pelo Prof. Tite. Sem dúvida, a perda dos principais jogadores e também do técnico e comissão abalou mesmo, mas a maior de todas os 'desfalques' ocorreu na semana passada, com o afastamento do Conselho Deliberativo de Luiz Inácio Lula da Silva, que recebeu o título de Conselheiro Vitalício (será que ele sabe o que é vitalício?) em 2003 das mãos do ex-presidente Alberto Dualib, como se vê na foto abaixo.   
 


 

São Paulo

Após a ilusão de que poderia ganhar a Libertadores, e o sonho de pelo menos disputar com alguma chance a Copa do Brasil para tentar uma vaga na Libertadores 2017, sonho este que transformou-se em pesadelo após a vexatória derrota em casa frente ao Juventude, o São Paulo segue aos trancos e barrancos (aliás muito mais trancos do que barrancos) sua sina em 2016, cujo objetivo agora é escapar da Série B. Nossa 'sorte' é que, além dos candidatos naturais ao rebaixamento como América (MG), Santa Cruz (desculpe Brunão) e Botafogo, alguns clubes que costumam frequentar a parte de cima da tabela estão no momento em pior situação do que o Mais Querido, casos do Cruzeiro e Internacional. Vamos aguardar, acho até que escaparemos, mas não me peçam para apostar 1 centavo nesta pule.    
 

 


Apoio produção do Pega Pelo Rabo:

MARCELO LEFÈVRE
Consultor em RH

Currículos, entrevistas e seleção de profissionais


Apoio divulgação do Pega Pelo Rabo:


O ponto de encontro da inteligência com a sensibilidade.